Proteção
Radiológica
Infantil

Para cuidar é preciso se informar. Você sabe o que são radiações e como elas atuam em nosso corpo? Essas questões são essenciais para entender como certos exames, que utilizam radiação ionizante, atuam em nosso organismo e de que modo influenciam a nossa saúde. E esse cuidado é ainda maior, quando se trata de crianças.

 

Abaixo, você confere algumas curiosidades sobre radiação e exames de diagnóstico por imagens. Além de aprender como reduzir a exposição excessiva do seu filho (a) à radiação ionizante.

 

Confira!

O que são radiações?

Radiação ionizante é a energia suficiente para movimentar partículas podendo ser gerada por fontes naturais ou por dispositivos construídos pelo homem. Ela pode danificar células, afetando o material genético (DNA), podendo ocasionar doenças graves dependendo da dose da radiação recebida. As radiações ionizantes conhecidas são: alguns tipos de pedras, raios X e radiação gama.

É seguro realizar exames que utilizam radiação ionizante em crianças?

Não há restrições para o uso de Raios-X e Tomografia Computadorizada em crianças, desde que o benefício clínico seja maior do que os potenciais riscos de exposição à radiação.

Radiação ionizante

A radiação ionizante consiste em energia suficiente para fazer com que os elétrons se desprendam de átomos e moléculas, alterando sua estrutura – num processo conhecido como ionização.

 

Existem vários tipos de radiação ionizante e cada um tem um poder diferente de penetração e causa diferentes graus de ionização na matéria.

 

Os tipos de radiações ionizantes mais conhecidos são os raios X, usados em equipamento radiológico para fins médicos, como por exemplo, no diagnóstico e tratamento de doenças.

O que são raios-X?

Os raios-X (usados em tomografia computadorizada, radiologia convencional, mamografia, entre outros) são feixes invisíveis de radiação que passam através do corpo para criar uma imagem dos ossos e órgãos para verificar doenças ou outros problemas.

Quais são as fontes de radiação?

A radiação é, e sempre foi, uma parte natural de nosso meio ambiente. Consequentemente, uma gama de fontes diferentes – tanto naturais quanto artificiais – contribui para a nossa exposição à radiação ionizante na vida cotidiana.

O que é a Tomografia Computadorizada?

A tomografia computadorizada é um exame que fornece imagens mais precisas do que as do exame de Raios-X, detectando alterações muito pequenas em ossos, tecidos, órgãos e outras estruturas do corpo.

Radiação natural/
ambiente

A radiação natural – ou a chamada “radiação ambiente”. A duas maiores fontes de energias naturais são os raios cósmicos e a radiação proveniente da crosta terrestre. Ela se encontra até em nosso solo que é enriquecido de urânio natural e formas naturais de energia como gás, radônio. Tudo isso nos expõe à radiação.

Quais os riscos de exposição excessiva à radiação?

O acúmulo de radiação no corpo humano pode causar danos irreversíveis e até fatais. Sua dose excessiva pode provocar a destruição de células, queimaduras, lesões no sistema nervoso, no aparelho gastrointestinal, câncer etc.

Como os pais podem reduzir a radiação nas crianças?

Com o avanço da tecnologia e a facilidade de acesso aos exames de imagem, tal como a tomografia computadorizada, houve um aumento significativo na realização de exames com radiação ionizante nas últimas décadas.

Levando em consideração que grandes doses de radiação ionizante podem danificar os tecidos humanos de maneira irreversível e que seu efeito é cumulativo, torna-se imprescindível o controle e acompanhamento de maneira sistêmica e a criação de mecanismos para evitar a exposição desnecessária à radiação ionizante.

Sabemos também que crianças são mais sensíveis à radiação devido aos tecidos estarem em desenvolvimento, o que torna ainda mais importante o controle da exposição à radiação para faixas etárias menores.

Todos os exames geram altas doses de radiação?

Não. Exames diferentes fornecem diferentes quantidades de radiação. O exame mais comum de Raios-X é o de tórax, que fornece uma dose média de 0,02 mSv. No contexto da nossa exposição à radiação natural, essa é uma dose relativamente baixa.

Veja algumas medidas que devem ser tomadas pelos pais para reduzir a radiação em seus filhos.

Antes do exame

Converse sempre com o médico do seu filho e não hesite em perguntar sobre a necessidade de um exame. Ele definirá o exame mais apropriado para fazer o diagnóstico correto.

 

Se a sua criança for grande o suficiente, ajude-a a entender o procedimento antes de fazê-lo para minimizar qualquer medo ou ansiedade que ela possa ter.

Durante o exame

Siga as orientações do profissional.

 

Durante o exame de raios-X de tórax, por exemplo, ele pede para que o paciente prenda a respiração durante a exposição, pois o movimento pode “borrar” a imagem. Se o raios-X tiver que ser repetido, a exposição será dobrada desnecessariamente.

 

Cheque com o técnico se ele está utilizando a quantidade mais baixa de radiação para o tamanho da sua criança.

 

Peça sempre um avental ou alguma outra proteção de chumbo para cobrir as partes do corpo da criança próximas à área a ser examinada.

 

Você também deve utilizar um avental para se proteger.

Após o exame

Tenha em mãos a sua carteirinha de radioproteção infantil da Unimed e mantenha um histórico das imagens da sua criança, incluindo o nome e endereço da clínica, data e tipo de imagem feita.

 

Certifique-se que o médico do seu filho (a) tenha acesso a essas informações.

Esses dados são essenciais para conhecimento de diferentes médicos que seu filho possa passar. Assim, eles poderão decidir a necessidade de novos exames de diagnóstico por imagem ou não, podendo evitar a repetição desnecessária.

Você pode imprimir a sua carteirinha clicando aqui.